Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Prolapso de órgãos pélvicos: tudo o que você precisa saber

25 Julho 2022

Você sente um peso na barriga ou na vagina, ou um caroço saindo através da sua genitália? Você pode ter prolapso de órgãos pélvicos (POP). Explicaremos em detalhe qual é essa condição, como ela está relacionada à menopausa e que sintomas pode causar geralmente.

O que é Prolapso de órgãos pélvicos?

O prolapso de órgãos pélvicos envolve a queda dos órgãos da área pélvica de sua posição normal e a protuberância para dentro ou para fora da vagina. Isso acontece devido a um enfraquecimento dos músculos e ligamentos do assoalho pélvico. Os órgãos que podem cair são a bexiga, útero, colo uterino, uretra, reto e cúpula vaginal. Porém, deles todos, a bexiga é geralmente a mais afetada (FDA, 2019).

Fatores de risco

Os músculos e tecidos do assoalho pélvico podem enfraquecer, rasgar ou esticar por alguma destas razões (Weintraub et al., 2020):

  • Número de partos.
  • Menopausa.
  • Envelhecimento.
  • Obesidade.
  • História genética.
  • Constipação crônica.
  • Como consequência de uma cirurgia na área pélvica, como uma histerectomia.
  • Doença do tecido conjuntivo, como a síndrome de Marfan ou de Ehlers-Danlos.

A relação entre o prolapso de órgão pélvico e a menopausa

O avanço da idade é um fator de risco importante para o POP e a menopausa é uma situação relacionada à idade. Entretanto, só a menopausa pode aumentar o risco de prolapso de órgão pélvico, por conta das mudanças hormonais que acompanham esta etapa da vida.

A queda nos níveis de estrogênio (um hormônio) que acontece na menopausa contribui para alterar a produção e a qualidade do colágeno. O colágeno é a proteína essencial para formar todos os tecidos de suporte do assoalho pélvico, como ligamentos e músculos (Weintraub et al., 2020).

Prolapso de órgãos pélvicos: tudo o que você precisa saber

Sinais e sintomas a identificar durante a menopausa

Muitas mulheres com prolapso de órgão pélvico são geralmente assintomáticas. Algumas experimentam apenas dor pélvica (semelhante à menstruação) e uma sensação de peso ou pressão na vagina. Mesmo assim, outros sintomas que podem acompanhar esta condição incluem (FDA 2019; Mayo Clinic, 2020; MedlinePlus, 2021):

  • Protuberância na abertura vaginal ou fora dela.
  • Fuga de urina noturna (noctúria), com ou sem esforço.
  • Dificuldade de ter relações sexuais.
  • Infecção do aparelho urinário com certa frequência.
  • Dificuldade com a micção ou defecação.

Visão geral do diagnóstico e tratamento

É importante que qualquer sintoma genital ou pélvico seja tratado por seu médico para descartar prolapso. Um exame ginecológico pode ser suficiente para diagnosticar a condição. Assim, o médico pode identificar o enfraquecimento do assoalho pélvico e o prolapso dos órgãos na parede anterior ou posterior da vagina.

Em alguns casos, são necessários testes mais avançados para diagnosticar complicações. Por exemplo, as imagens de ultrassom e uma ressonância magnética. Entretanto, o tratamento desta desordem dependerá de sua gravidade. Assim, pode incluir (FDA, 2019):

  • O uso de pessários vaginais ou exercícios de Kegel para fortalecer o assoalho pélvico. O pessário é um dispositivo parecido com um anel que é inserido na vagina e age como uma barreira, impedindo que o órgão prolapse.
  • Tem também uma cirurgia para reconstruir o assoalho pélvico e reposicionar os órgãos caídos de volta para a pélvis.

Possíveis complicações do prolapso de órgãos pélvicos

O prolapso de órgãos pélvicos geralmente não representa risco de vida. Mesmo assim, em alguns casos graves, e dependendo do órgão afetado, pode levar a complicações. Por exemplo (Todd, 2021):

  • Problemas com defecação; as fezes são retidas.
  • Retenção urinária.
  • Incontinência urinária.
  • Infecções comuns no sistema urinário.
  • Incontinência de fezes e gases.
  • Danos aos rins somente se houver um bloqueio no fluxo de urina.

Recomendações para prevenir o prolapso de órgãos pélvicos

Anteriormente, mencionamos que o POP ocorre como consequência de um enfraquecimento do tecido pélvico. Mas você pode evitar este enfraquecimento com hábitos saudáveis que pode praticar (Mayo Clinic, 2020):

  • Não fume.
  • Evite o levantamento de coisas pesadas.
  • Controle a constipação.
  • Mantenha um peso adequado à sua altura.
  • Controle a tosse crônica, ela exerce pressão excessiva sobre o abdômen, peito e pélvis.
  • Fortaleça seus músculos do assoalho pélvico com exercícios de Kegel.
  • Tente não empurrar enquanto tiver um movimento intestinal.
  • Faça exercícios físicos regulares para fortalecer os músculos do tronco e do abdômen.

O prolapso de órgão pélvico é uma condição comum nas mulheres (ainda mais nas mulheres no meio da menopausa), que acontece devido ao enfraquecimento dos músculos e ligamentos do assoalho pélvico. E embora não seja uma ameaça à vida, muitas vezes é bastante irritante.

Portanto, se você tiver algum dos sintomas apresentados neste artigo, não deixe de visitar seu médico para descartar o prolapso e obter orientação sobre o seu tratamento. Lembre-se que existem ferramentas como pessários e exercícios de Kegel que podem ajudar você, sem ter que se submeter a uma cirurgia para resolver o problema.

Referências bibliográficas 

Mayo Clinic. (2020, 10 de novembro). Prolapso de los órganos pélvicos. https://www.mayoclinic.org/es-es/diseases-conditions/pelvic-organ-prolapse/care-at-mayo-clinic/mac-20360560 

FDA. (2019, 16 de abril). Pelvic Organ Prolapse (POP). https://www.fda.gov/medical-devices/urogynecologic-surgical-mesh-implants/pelvic-organ-prolapse-pop 

MedlinePlus. (2021, 29 de setembro). Problemas del piso pélvico. https://medlineplus.gov/spanish/pelvicfloordisorders.html 

Todd, N. (2021, 10 de maio). Wha tis Pelvic Organ Prolapse? WebMD. https://www.webmd.com/women/vaginal-prolapse 

Weintraub, A., Glinter, H., y Marcus, N. (2020, janeiro-fevereiro). Narrative review of the epidemiology, diagnosis and pathophysiology of pelvic organ prolapse. International Braz j urol, 46(1). https://doi.org/10.1590/S1677-5538.IBJU.2018.0581 

Achou esse artigo útil?
Compartilhe com seus amigos:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *