Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Síndrome das pernas inquietas: definição e características

23 Maio 2022

A síndrome das pernas inquietas (SPI), também conhecida como doença de Willis-Ekbom, é uma condição do sistema nervoso que pode ocorrer na menopausa e na perimenopausa. Provoca sensações desconfortáveis nas pernas que são acompanhadas por uma vontade incontrolável de mover as pernas, de andar ou de parar de descansar (Mansur, 2021).

O SPI é conhecido por afetar até 15% da população em geral (Guo, 2017). Ele também é conhecido por (Ohayon, 2012):

  • Ser mais comum nas mulheres do que nos homens, especialmente nas mulheres grávidas.
  • A idade é um fator de risco chave para o SPI, ocorrendo principalmente entre os 60 e 70 anos de idade.
  • Ser também uma das principais causas de distúrbios do sono durante a menopausa e perimenopausa (Seeman, 2020).

Com tudo isso, torna-se um pouco mais claro o quanto a síndrome das pernas inquietas é um problema que afeta muitas mulheres, diminuindo sua qualidade de vida. Mas por que isso acontece? Hoje explicamos isto e muito mais sobre este sintoma da menopausa.

Por que ocorre a síndrome das pernas inquietas?

Embora ainda não se compreenda completamente por que ocorre a síndrome das pernas inquietas, conhecemos o seguinte (Seeman, 2020):

  • Geralmente, existe uma deficiência de ferro que pode ser devida a certas condições, tais como gravidez ou deficiência nutricional.
  • A deficiência de ferro também resulta na diminuição da oxigenação dos neurônios.
  • Há também uma alteração na função da dopamina, uma importante substância química cerebral, causada pela deficiência de ferro.
  • Existe uma ligação entre a SPI e a deficiência de cálcio e vitamina D.
  • Estas alterações podem não estar presentes em todos os casos da SPI; entretanto, acredita-se que a deficiência de ferro no cérebro seja o principal culpado.

A ação desses mecanismos leva a mudanças na função cerebral e nervosa. Isto faz que se produzam sinais que são interpretados pelo cérebro como as sensações incômodas da SPI.

Quais são os sintomas da síndrome das pernas inquietas?

Embora o principal sintoma da síndrome das pernas inquietas seja a sensação de desconforto, ela também pode ser acompanhada por outros sintomas e características, tais como (Mayo Clinic, 2020):

  • Sensação de dor, coceira, ardor, cólicas, dormência ou um choque elétrico nas pernas.
  • Eles geralmente aparecem depois da pessoa descansar, depois de sentar ou ficar parado por um período de tempo.
  • A tendência é de ser pior à noite.
  • Também pode ser acompanhada por espasmos noturnos ou movimentos involuntários das pernas durante o sono.

Observe que estas características, assim como a intensidade dos sintomas, variam de pessoa para pessoa.

Existem causas para acelerar seu desenvolvimento?

Como temos já visto, certas alterações devem ocorrer para que a síndrome das pernas inquietas se desenvolva. Neste sentido, há algumas condições nas quais é mais comum apresentar ou piorar os sintomas. Por exemplo (Guo, 2017):

  • Gravidez: até 25% de todas as mulheres grávidas têm SPI, provavelmente devido à necessidade extra de ferro.
  • Pacientes em hemodiálise: a doença renal causa mudanças na absorção de dopamina, contribuindo para o início da SPI.
  • Hereditariedade: algumas pessoas são conhecidas por terem genes que as tornam predispostas à SPI de forma precoce.
  • Menopausa: embora não se saiba por que isso acontece, pensa-se que a menopausa é uma causa importante do início da SPI e até mesmo o agravamento dos sintomas (Seeman, 2020).

Além disso, tal predisposição também ocorre igualmente na menopausa cirúrgica; aquela que acontece depois à cirurgia ou tratamento médico que diminui a função ovariana (Huo, 2021). Tudo isso sugere que a menopausa é um fator chave para o início e desenvolvimento da SPI.

Referências Bibliográficas

Bozorg, A. (2021). Restless legs syndrome. Medscape. https://emedicine.medscape.com/article/1188327-overview

da Cunha, M., Campos Hankins, N. A., & Arruda, S. F. (2019). Effect of vitamin A supplementation on iron status in humans: A systematic review and meta-analysis. Critical reviews in food science and nutrition, 59(11), 1767–1781. https://doi.org/10.1080/10408398.2018.1427552

Fry, A. (2020). Restless legs syndrome – symptoms and causes. Sleep Foundation. https://www.sleepfoundation.org/restless-legs-syndrome

Guo, S., Huang, J., Jiang, H., Han, C., Li, J., Xu, X., Zhang, G., Lin, Z., Xiong, N., & Wang, T. (2017). Restless Legs Syndrome: From Pathophysiology to Clinical Diagnosis and Management. Frontiers in aging neuroscience, 9, 171. https://doi.org/10.3389/fnagi.2017.00171

Huo, N., Smith, C. Y., Gazzuola Rocca, L., Rocca, W. A., & Mielke, M. M. (2021). Association of Premenopausal Bilateral Oophorectomy With Restless Legs Syndrome. JAMA network open, 4(2), e2036058. https://doi.org/10.1001/jamanetworkopen.2020.36058

Lee, J., Han, Y., Cho, H. H., & Kim, M. R. (2019). Sleep Disorders and Menopause. Journal of menopausal medicine, 25(2), 83–87. https://doi.org/10.6118/jmm.19192

Mansur, A., Castillo, P. R., Rocha Cabrero, F., & Bokhari, S. (2021). Restless Legs Syndrome. En StatPearls. StatPearls Publishing. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK430878/

Mayo Clinic. (2020). Restless legs syndrome. https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/restless-legs-syndrome/symptoms-causes/syc-20377168

Organización Médica Colegial de España. (2016). El 90% de las personas que padecen el síndrome de piernas inquietas desconoce que tiene la enfermedad. Médicos y Pacientes. http://www.medicosypacientes.com/articulo/el-90-de-las-personas-que-padecen-el-sindrome-de-piernas-inquietas-desconoce-que-tiene-la

Ohayon, M. M., O’Hara, R., & Vitiello, M. V. (2012). Epidemiology of restless legs syndrome: a synthesis of the literature. Sleep medicine reviews, 16(4), 283–295. https://doi.org/10.1016/j.smrv.2011.05.002

Seeman M. V. (2020). Why Are Women Prone to Restless Legs Syndrome? International journal of environmental research and public health, 17(1), 368. https://doi.org/10.3390/ijerph17010368

Achou esse artigo útil?
Compartilhe com seus amigos:

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *